Irmãos Encrenca | O caso do sabotador de Angra

o_caso_do_sabotador_de_angra_1257281886b

História originalmente publicada em 1981, este livro, apesar de sempre figurar entre as aventuras dos Irmãos Encrenca, curiosamente, não conta com a participação de Marco, Eloís e Isabel. Na verdade, o único vínculo que essa história apresenta com o arco restante das aventuras dos irmãos é a presença do Inspetor Nicolau, personagem que também participa de histórias do trio.

Entretanto, como não li todos os volumes das aventuras dos irmãos, apenas fazendo pesquisas depois de finalizar o livro pude entender que O caso do Sabotador de Angra é a ponte para introduzir os simpáticos garotos carentes Tic-Tac e Acetato – protagonistas dessa história – no universo dos Irmãos Encrenca. Em O esqueleto atrás da porta, um dos últimos livros da série de Marco Isabel e Eloís, a autora “viabilizará” o encontro entre os dois meninos órfãos e os três irmãos que dão nome à série consagrada de Stella Carr. Agora tudo faz sentido.

Sobre o enredo

Mais uma vez, a autora elabora uma história envolvendo questões ambientais e governamentais, tudo, é claro, com uma dinâmica intensa e toques de humor diretamente relacionados aos diálogos das crianças do orfanato chamado Lar da Boa Vontade, um triste local chefiado pelo falso benemérito chamado Bepe. Portanto, se desta vez não temos os divertidos diálogos entre Marco, Eloís e seus amigos, em O caso do sabotador de Angra, são os órfãos os responsáveis por dar um toque infantil e brincalhão à trama, por meio de situações bastante verossímeis do universo das crianças.

Neste volume, a questão ambiental é representada pela importante discussão do programa nacional de energia nuclear, suas responsabilidades e implicações. Stella Carr se vale de um momento histórico (início da década de 1980) no qual esse assunto ainda era uma incógnita para a sociedade brasileira e elabora um intrincado enredo – esta é a mais complexa história do arco até o momento –, com uma construção literária bastante consistente, para discutir esses pontos com seus jovens leitores.

– Que tipo de gente tentaria explodir uma usina nuclear?

– Não sei dizer, inspetor, não sou psiquiatra. Mas gostaria de saber o que leva um homem a esse gesto de total desespero.

– Ele chama a si mesmo de ‘justiceiro’. Tenho muito medo do fanatismo. A história está cheia de crimes e massacres executados por justiceiros.

Ficaram os dois em silêncio.” (p. 24)

Um pouco de fantasia

O toque fantástico do livro fica por conta da curiosa Loja de Estranhezas, comandada por Caio Porfírio Carneiro, e pelas misteriosas aparições de Polípedes, o mágico, ambos personificações de amigos reais da autora, homenageados nas páginas de seu livro.

Assim como aconteceu com a leitura de O fantástico homem do metrô (comentado aqui), eu também não tinha muito boas recordações de O caso do sabotador de Angra – muito provavelmente porque a complexidade da trama deve ter me deixado um tanto perdida em minha primeira leitura (quando eu tinha uns desatenciosos 13 anos, acho…). Hoje, na releitura, as peças ficaram bem mais claras, e pude constatar que, com este livro, Stella Carr atingiu o ponto alto das aventuras de Marco, Eloís e Isabel.

No próximo post sobre os Irmãos Encrenca, o sexto livro da série: O segredo do Museu Imperial!

O caso do sabotador de Angra
Stella Carr
Editora Moderna
118 páginas – 1992

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s