Arquivo mensal: julho 2017

Clássico | Diva (José de Alencar)

20160315-diva

Depois de tantos anos sem ler uma obra típica do Romantismo brasileiro, a experiência de leitura de Diva (1864) deve me valer, ao menos, um singelo comentário neste espaço.

Que interessante foi, depois de tanto tempo, deparar-me como leitora com a prosa de José de Alencar (1829-1877) que, muito longe de banalizar as relações amorosas, antes idealiza em níveis estratosféricos o amor em si.

A jovem Emília é a heroína que sucede Lúcia (de Lucíola (1862)) e precede Aurélia (de Senhora (1875)). Elaborando a protagonista de Diva, Alencar “treina” a construção de uma personagem feminina, rica e que, a princípio, não toma conhecimento dos assédios masculinos, faz pouco de seus pretendentes e está disposta a estabelecer o conflito consigo mesma em relação aos seus sentimentos e à maneira sobre como lidar com eles. O auge desse processo será, sem dúvida, alcançado com Aurélia, que ainda trará consigo, como respaldo para suas atitudes, o enfrentamento de um problema de inferioridade social que problematiza com mais profundidade o seu contato com o amor.

Com Diva, José de Alencar usa de recursos narrativos interessantes e também estabelece um vínculo intrigante entre seus perfis femininos urbanos. A história é contada por meio de carta de Augusto, o pretendente de Emília, a Paulo, amante de Lúcia em Lucíola. Bastante inovador, no contexto daquele momento, essa relação entre personagens de enredos diferentes (os dois rapazes ficam amigos em uma viagem de navio após o romance de Paulo com Lúcia), bem como essa forma de contar a história, que acaba incluindo o leitor na intimidade dos amigos, como participante espectador da trama que se desenrola sobre o relacionamento de Augusto e Emília.

Diva
José de Alencar
Editora Ática
Décima edição – 1998 (Cotejado com a terceira edição revista pelo autor em 1875)

Anúncios

Distopias | Fahrenheit 451

2108a98905273b95e3829793cbcb1ba65b91aa3a

Foi há coisa de uns três meses, com o lançamento da revista de livros Quatro cinco um (comentada aqui), que eu me lembrei de que tinha na estante o livro que inspirou o título da revista – ainda não lido.

Resolvi ler o livro antes de me dedicar ao primeiro número da revista e a leitura do clássico escrito por Ray Bradbury me deixou tão embevecida, que passei a agradecer pelo lançamento da Quatro cinco um só pelo fato de isso ter me motivado à leitura de um livro há dois anos esquecido na minha estante.

Trata-se de um enredo envolvendo uma sociedade distópica, resultado de um governo totalitário, que oprime os cidadãos que mantêm o gosto pela leitura e, principalmente, que dispõem de exemplares em suas casas. Nesse contexto sociopolítico que associa a infelicidade aos questionamentos proporcionados pelo hábito da leitura, os bombeiros constituem o elemento opressor, responsável por incendiar os livros apreendidos (vizinhos, conhecidos e mesmo parentes denunciam-se uns aos outros) e prender os leitores.

Um livro é uma arma carregada na casa vizinha. Queime-o. Descarregue a arma.” (pág. 76)

Momento histórico

mv5bmji3mzi3mjq2of5bml5banbnxkftztgwmti4odyxmte-_v1_ux182_cr00182268_al_

Bradbury escreveu sua obra-prima no cenário mundial pós-Segunda Guerra em 1953. Originalmente chamado The fireman, o livro veio depois dos aclamados Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley (publicado em 1932), e de 1984, de George Orwell (de 1949).

Contudo, o pai dos romances distópicos não é nenhum desses tão famosos autores. Nós, escrito pelo russo Yevgeny Zamyatin (1884-1937) entre os anos de 1920 e 1930, é o primeiro livro conhecido desse gênero. Além desses, outros enredos distópicos também viriam ao conhecimento do público mais tarde, como Metropolis (pelo filme de Fritz Lang, em 1927), Laranja Mecânica (pelo livro de Anthony Burgess, de 1962, e transformado em filme por Stanley Kubrick dez anos depois) e O Conto da Aia, de Margaret Atwood, publicado em 1985.

Montag, o bombeiro

As coisas que você está procurando, Montag, estão no mundo, mas a única possibilidade que o sujeito comum terá de ver, noventa e nove por cento delas está num livro. Não peça garantias. E não espere ser salvo por uma coisa, uma pessoa, máquina ou biblioteca. Trate de agarrar a sua própria tábua e, se você se afogar, pelo menos morra sabendo que estava no rumo da costa.” (pág. 107)

Um bombeiro que começa a se interessar pelos livros que deveria incendiar é o ponto de partida para a revolução na sociedade até então tão controlada do enredo de Ray Bradbury. Os questionamentos de Guy Montag ultrapassam o nível do aceitável, quando o bombeiro começa a se dar conta do vazio que tomava conta de seu casamento, bem como de sua falta de perspectiva em relação à sua profissão – tudo isso a partir de pequenos diálogos estabelecidos com sua vizinha Clarisse no trem, ou andando pelo bairro, diariamente, na volta do trabalho. Afinal, qual era o sentido de queimar livros e de viver com uma mulher que nem se lembra de quando o conheceu?

A versão de Truffaut

Mais de dez anos depois, o prestigiado François Truffaut levou para as telas do cinema a adaptação do romance de Bradbury. A produção vale pelo caráter de divulgação e de estímulo ao interesse do público pelo texto original, sem dúvida. Entretanto, o cinema sofre pela concisão necessária a obras que pedem um alto grau de complexidade de construção, como é o caso de Fahrenheit 451.

É incrível como o livro consegue transmitir mais emoção do que o filme no ápice da trama, com a fuga de Montag. Outra grande perda foi o fato de Truffaut ter suprimido da versão cinematográfica o Sabujo, a temida criatura robótica algoz de todos aqueles que contrariavam os interesses da ordem dominante. Mesmo assim, é interessante ver como o diretor francês transformou em imagens alguns signos interessantes do livro de Bradbury, como o carro dos bombeiros, por exemplo.

Obra-prima

Sem dúvida, Fahrenheit 451 foi uma de minhas melhores leituras neste ano. É um livro notável, capaz de falar ao coração de todo aquele que ama a Literatura, dá valor aos livros e encara o processo de leitura como um momento de abertura de perspectivas, de incremento da visão de mundo e de problematização das questões da existência.

Para mim, o ponto alto da história foi a maneira encontrada pelo autor de preservar os livros em um contexto totalitário. Trabalhar o pensamento e a reflexão sobre aquilo que se lê, tendo como ponto de partida a assimilação das obras clássicas da Literatura mundial, constitui o objetivo que deveria nortear qualquer atividade de leitura. Não se trata apenas de ler, mas de buscar maneiras de refletir sobre o que foi lido, de empregar um tempo precioso para aperfeiçoar o pensamento. É isso. E muito mais, é claro!

Fahrenheit 451 (livro)
Ray Bradbury
Globo de Bolso
2014 – 214 páginas

Fahrenheit 451 (filme)
Direção: François Truffaut
Roteiro: François Truffaut e Jean-Louis Richard, a partir do romance de Ray Bradbury
Ano: 1966
País: Estados Unidos
Gênero: Ficção científica
Duração: 112 minutos
Elenco: Oskar Werner (Guy Montag); Julie Christie (Linda Montag/Clarisse); Cyril Cusack (Capitão); Anton Diffring (Fabian); Alex Scott (homem-livro)

Irmãos Encrenca | O caso do sabotador de Angra

o_caso_do_sabotador_de_angra_1257281886b

História originalmente publicada em 1981, este livro, apesar de sempre figurar entre as aventuras dos Irmãos Encrenca, curiosamente, não conta com a participação de Marco, Eloís e Isabel. Na verdade, o único vínculo que essa história apresenta com o arco restante das aventuras dos irmãos é a presença do Inspetor Nicolau, personagem que também participa de histórias do trio.

Entretanto, como não li todos os volumes das aventuras dos irmãos, apenas fazendo pesquisas depois de finalizar o livro pude entender que O caso do Sabotador de Angra é a ponte para introduzir os simpáticos garotos carentes Tic-Tac e Acetato – protagonistas dessa história – no universo dos Irmãos Encrenca. Em O esqueleto atrás da porta, um dos últimos livros da série de Marco Isabel e Eloís, a autora “viabilizará” o encontro entre os dois meninos órfãos e os três irmãos que dão nome à série consagrada de Stella Carr. Agora tudo faz sentido.

Sobre o enredo

Mais uma vez, a autora elabora uma história envolvendo questões ambientais e governamentais, tudo, é claro, com uma dinâmica intensa e toques de humor diretamente relacionados aos diálogos das crianças do orfanato chamado Lar da Boa Vontade, um triste local chefiado pelo falso benemérito chamado Bepe. Portanto, se desta vez não temos os divertidos diálogos entre Marco, Eloís e seus amigos, em O caso do sabotador de Angra, são os órfãos os responsáveis por dar um toque infantil e brincalhão à trama, por meio de situações bastante verossímeis do universo das crianças.

Neste volume, a questão ambiental é representada pela importante discussão do programa nacional de energia nuclear, suas responsabilidades e implicações. Stella Carr se vale de um momento histórico (início da década de 1980) no qual esse assunto ainda era uma incógnita para a sociedade brasileira e elabora um intrincado enredo – esta é a mais complexa história do arco até o momento –, com uma construção literária bastante consistente, para discutir esses pontos com seus jovens leitores.

– Que tipo de gente tentaria explodir uma usina nuclear?

– Não sei dizer, inspetor, não sou psiquiatra. Mas gostaria de saber o que leva um homem a esse gesto de total desespero.

– Ele chama a si mesmo de ‘justiceiro’. Tenho muito medo do fanatismo. A história está cheia de crimes e massacres executados por justiceiros.

Ficaram os dois em silêncio.” (p. 24)

Um pouco de fantasia

O toque fantástico do livro fica por conta da curiosa Loja de Estranhezas, comandada por Caio Porfírio Carneiro, e pelas misteriosas aparições de Polípedes, o mágico, ambos personificações de amigos reais da autora, homenageados nas páginas de seu livro.

Assim como aconteceu com a leitura de O fantástico homem do metrô (comentado aqui), eu também não tinha muito boas recordações de O caso do sabotador de Angra – muito provavelmente porque a complexidade da trama deve ter me deixado um tanto perdida em minha primeira leitura (quando eu tinha uns desatenciosos 13 anos, acho…). Hoje, na releitura, as peças ficaram bem mais claras, e pude constatar que, com este livro, Stella Carr atingiu o ponto alto das aventuras de Marco, Eloís e Isabel.

No próximo post sobre os Irmãos Encrenca, o sexto livro da série: O segredo do Museu Imperial!

O caso do sabotador de Angra
Stella Carr
Editora Moderna
118 páginas – 1992

Leitura | Quem matou Roland Barthes?

arq_1614
Roland Barthes, brilhante filósofo, sociólogo, semiólogo etc.

Preciso, ainda que brevemente, fazer um registro da leitura desse excelente livro. Confesso até que me senti constrangida durante sua leitura. Primeiro, porque, mesmo tendo lido algumas sinopses sobre ele previamente, eu o subestimei. Segundo, porque se trata de um livro que vai muito além de uma mera trama policial.

O que me chamou a atenção foi o insight do jovem autor francês Laurent Binet de transformar personalidades reais em protagonistas de um romance. O nome de Roland Barthes na capa já me motivou à leitura. E saber que teóricos como Julia Kristeva, Michel Foucault, Roman Jakobson, Jacques Derrida, Umberto Eco, entre tantos outros estudiosos com os quais me deparei em meus estudos de pós-graduação e mestrado, faziam parte do enredo me deixou ainda mais intrigada.

Binet encarou o desafio com muita competência. Com seu livro, fez não apenas uma homenagem à história recente da França – questões sociais e políticas permeiam toda a história, e dados reais sustentam a trama de Binet –, mas também soube abordar (até onde me compete dizer) tópicos da Linguística e transformá-los em substrato consistente de seu livro.

A história

O ponto de partida do romance de Binet se dá com um fato real: o atropelamento que viria a ser a causa da morte de Roland Barthes (1915-1980). O motivo: a possível existência de uma sétima função da linguagem, a qual estaria em posse de Barthes naquele momento – aí Binet começa a escrever a ficção em cima da realidade.

A suposta sétima função seria a mais poderosa de todas e estaria diretamente relacionada à arte da retórica – o Clube Logos, um dos pontos fortes do livro, responsável por sequências memoráveis da história, também foi uma grande homenagem a Aristóteles – e daria ao seu detentor possibilidades inimagináveis. Aí Binet confere à arte do discurso o status de maior arma de todas, e não apenas na esfera política.

A trama do livro viaja entre países – França, Itália, Estados Unidos – e mostra, de forma até um tanto satírica, a elite da intelectualidade mundial daquela época (início dos anos de 1980). A prosa de Binet é rica em referências, e a leitura do livro me motivou a buscar novamente, entre as minhas coisas, reportagens, livros de Roland Barthes, entrevistas de Julia Kristeva, minhas anotações sobre Linguística, bem como os livros de Aristóteles e de Umberto Eco. Seria possível passar meses e meses debruçando-se sobre seu tema. Trata-se de um livro publicado no centenário de nascimento de Barthes (ótimo tributo) e que não se esgota em si mesmo, mas estimula o leitor à pesquisa sobre vários pontos de sua trama.

Quem matou Roland Barthes?
Laurent Binet
Companhia das Letras
Tradução de Rosa Freire d’Aguiar
2016
416 páginas

Breves comentários – Agatha Christie: O mistério de Sittaford

misterio_sittaford__o_9788525420077_m

Esse livro chamou minha atenção desde que li a sinopse e soube que, desta vez, a Dama do Crime usaria de “expedientes esotéricos” em seu enredo.
O que a tradução chamou de “mesa girante”, mas que também encontra equivalentes na “brincadeira do copo” e na “tábua dos espíritos”, por exemplo, foi o ponto de partida para o assassinato a partir do qual se desenvolve toda a trama. Um chamariz até interessante, porém não mais do que isso.
Personagens muito interessantes, como a intrépida Emily Trefusis (que me lembrou a Budle de “O segredo de Chimneys” e “O mistério dos sete relógios”), a Sra. Percehouse e o ambicioso jornalista Charles Enderby contribuem para deixar a história mais dinâmica, muito embora a leitura tenha me deixado a impressão de que, neste livro, Agatha Christie só precisou rechear a história de informações e confundir o leitor para a ideia dar certo.
Dessa vez, a motivação me pareceu fraca, e a argumentação não sustentou muito bem a história. Na verdade, tive a impressão de que Emily Trefusis se tornou maior do que a trama em si (o inspetor Narracott desaparece completamente diante da astúcia da moça), o que talvez até justificasse o aproveitamento da personagem em outras histórias, assim como ocorreu com Budle. Infelizmente, parece que Agatha Christie não levou essa ideia adiante, e Emily ficou apenas nas páginas do enredo de Sittaford.