Leitura | A Morte de Ivan Ilitch

Eis aí uma história muito simples, cujo todo diferencial reside basicamente em um fator: o narrador. A meu ver, esse é o elemento que faz com que essa breve novela de Tolstói seja vista como uma obra especial.

Como o título já sugere, a missão desse narrador consiste em contar a fatal trajetória do protagonista, o juiz Ivan Ilitch. Para tanto, faz-se necessário recorrer a flash-backs que visam mostrar o início do percurso de Ilitch em sua consolidação profissional, seu casamento por conveniência, o nascimento dos filhos e a gradual indiferença que foi tomando conta de suas relações familiares.

Passado este primeiro momento, o de contextualização da vida de Ivan Ilitch, seu narrador começa a mostrar suas especiais qualidades para contar ao leitor o processo de morte do protagonista. E aí é que começam a fazer sentido as características do narrador de observação e onisciência. Sim, porque elas são fundamentais para dar a dimensão exata da carga psicológica que Tolstói quis imprimir ao duelo de Ivan Ilitch contra sua doença, principalmente a partir do momento em que ela se “materializa” perante o protagonista:

 “Mas eis que a sua mulher disse, quando ele estava transferindo sozinho os objetos: ‘Deixe disso, por favor, os criados vão fazer isso, senão você mais uma vez vai se prejudicar’, e de repente ela apareceu atrás dos biombos, ele viu-a. Ela apareceu, Ivan Ilitch tinha ainda esperança de que ela ia ocultar-se, mas involuntariamente prestou atenção ao lado doente: a mesma coisa permanecia ali, doía como sempre, ele já não podia esquecer, e ela evidentemente espiava-o de trás das flores. Para quê tudo aquilo?” (p. 52, grifos do autor)

 À medida que a doença ganha força e Ivan Ilitch se dá conta do vazio de sua vida, a genialidade do narrador explicita-se na profundidade com a qual enfatiza a descoberta, por parte do protagonista, de sua própria degradação:

“Esperou apenas que Guerássim saísse para o quarto vizinho, deixou então de se conter e chorou como uma criança. Chorava a sua impotência, a sua terrível solidão, a crueldade dos homens, a crueldade de Deus, a ausência de Deus.” (p. 66)

 A quarta capa da edição que eu li diz que Tolstói passou um tempo afastado da atividade da escrita, com o objetivo para se dedicar à vida espiritual. A Morte de Ivan Ilitch marca o seu retorno como escritor e isso faz todo o sentido, porque a importância do teor abstrato do drama do protagonista de fato denota uma preocupação do autor com essa dimensão imaterial da transição da vida para a morte.

Publicada em 1886, essa narrativa curta é impressionante por tratar de forma tão contundente da hipocrisia do ser humano e do fim inevitável a todos.

A Morte de Ivan Ilitch
Lev Tolstoi
Tradução de Boris Schnaiderman (diretamente do russo)
Editora 34

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s